Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/09/2011

Mitos (53) – para terem sucesso as empresas precisam de colo do estado e de boa imprensa

Depois de uma laudatória descrição do sucesso da BA Vidros, a antiga Barbosa & Almeida, actualmente um dos melhores produtores de vidro em todo o mundo, à beira da falência há uma dúzia de anos, Nicolau Santos, o pastorinho da economia dos amanhãs que antes cantavam e agora choram no Expresso, termina a perguntar-se «se a BA chegou ao topo, porque não podem outras empresas portuguesas ser também líderes mundiais?»

Celebremos em primeiro lugar a inauguração, tanto quanto me lembre, de Nicolau Santos na consagração de uma empresa representando algo mais do que um balão mediático pendurado no governo e por si soprado.

Notemos em segundo lugar que, acertadamente, ele não se pergunta «porque não são outras empresas portuguesas também líderes mundiais?» Em vez disso, ele pergunta-se «porque não podem» e não responde, apesar de a resposta estar contida no laudo que a precede.

A resposta está lá e é simples. A BA é dirigida desde 1999 por Carlos Moreira da Silva, um homem Sonae embebido de uma cultura empresarial nos antípodas da cultura das empresas de sucesso do complexo político-empresarial socialista, promovidas pelos pastorinhos e dependentes dos lóbis e dos negócios à volta do Estado socialista e das empresas amigas. É por isso que «não podem outras empresas portuguesas ser também líderes mundiais» a menos que se libertem da tutela do estado que as sufocas e nos sufoca e para isso precisam de outra gente. E é também por isso que entregues a si próprias sem o colo estatal, as PME da indústria do calçado estão a dar a volta por cima dos destroços da Aerosoles Investvar, falida apesar dos milhões lá enterrados por Sócrates.

Sem comentários: