Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/09/2011

LASCIATE OGNI SPERANZA VOI CH'ENTRATE: O fim do estado social (4)

[Continuação de (1), (2) e (3)]

Nas contas de merceeiro feitas em tempos, estimou-se que o valor total das responsabilidades por pensões poderia rondar as 4-5 vezes o PIB de 2010. Enquanto isso, o Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) representava pouco mais de 5% do PIB.

Em matéria de contas públicas, as coisas nunca estão tão más que não possam piorar ainda mais e a segurança social não é excepção. O valor do FEFSS deveria por lei representar 2 anos de pensões. Por força da redução das contribuições e das imparidades resultantes da política de investimento, o seu valor apenas é suficiente para cobrir 9 meses de pensões. E, uma vez mais, as coisas podem ainda piorar, porque os 50% do fundo aplicados em OT se fossem valorizados ao «justo valor», isto é às cotações de mercado, valeriam muito menos.

É esta a herança que as gerações da «sociedade a caminho do socialismo» deixarão às gerações que lhe sucedem.

Sem comentários: