Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/09/2011

Deviam respeitar um período de nojo (4)

Muita gente tem direito de se indignar com as trafulhices do Bokassa das Ilhas, culminando na fraude contabilística, merecedora de prisão se isto fosse um país a sério.

Muita gente, mas não toda a gente. Algumas dessas pessoas que não têm direito à indignação já as identifiquei aqui. Vou lembrar e completar a lista:
  1. Os eleitores daquelas ilhas que votaram pelo menos 2 vezes na criatura e todos os que vierem a votar nele nas próximas eleições;
  2. Todos os dirigentes do PSD desde o 2.º mandato da criatura que dela não se tenham distanciado publicamente;
  3. Todos os membros dos sucessivos governos centrais que alimentaram a chantagem da criatura;
  4. E, last but no least, todos os eleitores, simpatizantes, militantes e principalmente dirigentes do Partido Socialista que silenciaram as trafulhices nas contas públicas perpetradas pelos governos de Guterres (e ainda perdoou a maior parte da dívida da Madeira) e Sócrates.

Sem comentários: