Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/09/2011

Estado empreendedor (51) – sequelas dos negócios de José Sócrates

Preparando a recepção do Atlântida
nas margens do rio Guaire 
Lembram-se de José Sócrates ter impingido aos portugueses a suposta realização de um magnífico negócio com o coronel Chávez impingindo-lhe um chaço flutuante por quase 50 milhões? O chaço, construído nos estaleiros de Viana, destinava-se originalmente a ferry para servir os Açores, fora recusado pelo vice-rei dessas ilhas (borrifando-se assim para a reciprocidade assistencialista que os incautos dele pudessem esperar) e encontrava-se então parqueado nos estaleiros.

Como todos os outros negócios envolvendo José Sócrates, este também meteu água. Se imaginais o Atlântida, assim foi baptizado o chaço, rumando a Caracas para ligar as duas margens do rio Guaire, pensai duas vezes. Ficou-se pelo Alfeite onde aguarda comprador que, espera-se, pague por ele metade do combinado entre o engenheiro e o coronel.

Sem comentários: