Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/10/2016

QUEM SÓ TEM UM MARTELO VÊ TODOS OS PROBLEMAS COMO PREGOS: O alívio quantitativo aliviará? (49) O clube dos incréus reforçou-se (XIV)

Outras marteladas.

Como se pode confirmar na subsérie de posts «O clube dos incréus reforçou-se», as primeiras dissidências (dentro da doutrina predominante, porque os «austríacos» nunca fumaram desse tabaco) sobre os poderes miraculosos das políticas monetárias de alívio quantitativo e de taxas de juro nulas ou negativas tiveram como precursor Bill Gross (o ex-líder da PIMCO) e começaram há menos de 2 anos.


Gradualmente os dissidentes começaram a multiplicar-se e com a adesão do Expresso, o semanário de referência do regime, podemos concluir que agora é oficial - ou pelo menos oficioso - entre a nomenclatura pensadora doméstica. Duvida-se que a mudança de paradigma seja do agrado da geringonça, porque pode inaugurar uma fase de redução ou mesmo extinção do programa OMT (Outright Monetary Transactions) e a subida gradual das taxas, com os consequentes impactos na maior dependência dos mercados e no aumento do custo da dívida. Sem esquecer o efeito perverso das imparidades dos investimentos em dívida pública dos bancos portugueses (14% do total) que vai puxá-los ainda mais para o abismo.

Sem comentários: