Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/10/2016

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: Não é um pouco esquizofrénico? (6) O que é um processo transparente é bastante opaco

Outros exemplos de esquizofrenia patriótica.

O processo de escolha do secretário-geral da ONU é historicamente e por natureza das coisas uma barganha pouco recomendável.

Desta vez, para o jornalismo de causas domésticas e a comentadoria do regime, o processo teve três fases. Na primeira, foi o aplauso ao antevisto passeio triunfal de Guterres até à entronização. Na segunda, quando a concorrência feminina da Europa de Leste entrou na corrida, a coisa passou a ser o que sempre foi: um «processo pouco transparente». Na terceira, depois de Guterres ter passado a barreira do Conselho de Segurança o processo passou subitamente a «aberto e transparente

Para o pessoal doméstico do politicamente correcto que teria aderido como uma só homem mulher pessoa à «Campanha para Eleger Uma Mulher Secretária-Geral da ONU» a coisa teria sido um «ultraje», não fora o patriotismo de pacotilha ter falado mais alto.

Para a esquerdalhada doméstica, que quando ouve falar de Angela Merkel tem os costumados reflexos reptilianos e puxa logo da pistola, a «derrota de Georgieva é também de Merkel».

E pronto, é este o nosso pequenino universozinho, O que podemos concluir? O costume: a obsessão lusitana com um «português no topo do mundo», como a classificou Ricardo Araújo Pereira; o colectivismo que impossibilita a objectividade, os complexos de inferioridade e a inevitável doutrina Somoza.

1 comentário:

Anónimo disse...

Assim como havia o Real Madrid de Ronaldo, agora há a ONU de Guterrez.