Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/10/2016

A maldição da tabuada (39) - Não saber a tabuada nunca foi uma desculpa para errar as contas (VII)

Episódios anteriores (I), (II), (III), (IV), (V) e (VI)

A primeira versão do «crivo» foi construída em 1926 por Derrick Norman Lehmer, professor de matemática em Berkeley, com a ajuda do seu filho e das suas correntes de bicicleta.


O zingarelho permitia pôr em prática a teoria dos crivos, processos da teoria dos números para contar ou estimar a dimensão de um conjunto de números inteiros (por exemplo, o conjunto dos números primos inferior a x). O «crivo» de Lehmer permitia  em concreto determinar os restos da divisão de um conjunto de números por outro conjunto. Teria dado imenso jeito ao governo da geringonça para calcular o que sobrava do orçamento depois de dividir as receitas pelos militantes socialistas, funcionários públicos, reformados, sindicatos da CGTP e restantes dependentes do Estado Sucial.

Sem comentários: