Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/10/2016

ESTADO DE SÍTIO: Disse Estado Social?

Para um país a caminhar para a extinção com a mais baixa taxa de fecundidade da UE (34,3 contra a média de 44,6 por mil), se há incentivos justificáveis são os incentivos para ter filhos. Num Estado dito Social, veja-se no diagrama seguinte a distância entre onde está a boca dos governos e onde está o dinheiro dos sujeitos passivos.

Fonte: Economist
Em vez de torrar dinheiro em empresas inviáveis, premiar o subemprego e incentivar o desemprego faria mais sentido atirá-lo para cima dos berços e dos infantários.

2 comentários:

António Almeida disse...

"faria mais sentido atirá-lo para cima dos berços e dos infantários"

Bastava não o Roubar aos berços e dos infantários. Isto é, reduzir os impostos que alimentam o Estado de sítio.

T disse...

O problema é que quem tem hábitos de trabalho, cultura, emprego e sustentabilidade para o modelo familiar com filhos não está para aí virado, já o seu contrário é a multiplicar cada 9 meses.