Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/10/2016

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: O Portugal dos Pequeninos visto pelo último dos queirozianos (1)

Começa aqui uma nova série de posts com excertos de algumas crónicas, compiladas em «De mal a pior» (D. Quixote), de Vasco Pulido Valente, o último dos queirozianos, não no estilo mas na substância, com a sua visão lúcida, por vezes vitriólica, deste Portugal de mentes pequeninas e elites medíocres.

«Desde 1974 que os portugueses são sistematicamente deseducados pelos políticos. Do paraíso igualitário do PREC e do "homem novo" de Cavaco à insana liberalidade de Guterres, sempre lhes prometeram uma vida melhor - uma vida cada vez melhor, mais próspera, mais tolerante, mais segura. E os portugueses, na sua habitual inconsciência, acreditaram. Verdade que o Ocidente inteiro, animado pelo crescimento contínuo, ou quase contínuo, de quase 20 anos também acreditou. Até ao momento em que se constatou com espanto e com terror que não existia dinheiro para esse milagre. A crise internacional (que não por acaso começou no mercado imobiliário americano) é como a nacional uma crise de expectativas: a simples descoberta da diferença entre o que as pessoas desejavam e os meios que tinham, entre o que ganhavam e o que gastavam.»

«A grande ilusão», 27-03-2010

Sem comentários: