Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/10/2016

De boas intenções está o inferno cheio (44) - Se correr, o bicho pega, se ficar, o bicho come

«O Iraque provou que as intervenções ocidentais podem ser um desastre. A Síria provou que as não-intervenções podem ser um desastre ainda maior. Mais de cinco anos de guerra fizeram, até agora, meio milhão de mortos e milhões e milhões de deslocados, dentro e fora do país, com centenas de milhares de refugiados a entrar clandestinamente na Europa. E não foi preciso George Bush, nem “Neo-Cons”.

(...)

No caso do Iraque, a decisão de remover Saddam e os desacertos da ocupação militar causaram enorme controvérsia, justificaram marchas, deixaram um rasto infindável de artigos, livros e filmes. Sobre a Síria, não há nada. Bush pagará sempre pela “invasão do Iraque”; Obama nunca responderá pelos massacres que deixou acontecer na Síria. Para um presidente Americano, a lição é clara: é sempre preferível lavar as mãos.»

«A maior vergonha do nosso tempo», Rui Ramos no Observador

Sem comentários: