Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/10/2016

A mentira como política oficial (24) - «Atirar areia para a cara das pessoas»

É claro que António Domingues, o novo presidente da Caixa, nos atirou areia para os olhos e os ouvidos ao negar ter tido informação privilegiada para preparar o plano estratégico ainda antes de ter sido nomeado em 1 de Setembro (em meados de Julho Domingues já tinha contratado a McKinsey e o escritório de advogados de Sá Carneiro e em finais de Julho o plano até já tinha sido considerado não credível pelo BCE) e talvez até mesmo ainda quando administrador do BPI, e certamente antes de sequer poder ter a certeza de que seria nomeado.

Mais do que atirar areia, insultou a inteligência das pessoas capazes de perceber que não é possível sem ter acesso a informação privilegiada, apenas com a informação pública, uma criatura a trabalhar sozinha preparar um plano estratégico do maior banco da Jangada de Pedra, empanturrado de crédito malparado, que falhou o stress test do BCE, refúgio de criaturas do regime, ineficiente e cronicamente mal gerido.

Ou, melhor, é possível em Portugal, mas, nesse caso, o governo deveria imediatamente desistir de nomear um impostor chamado António Domingues. Se, com a sua experiência, nada indica que seja impostor, então é provável que como bom socialista seja um mentiroso.

Tudo isto é claro e não restam dúvidas deveria ser denunciado pela oposição à geringonça. Por quem? Por imensa gente - por um qualquer secretário do Príncipe - e não necessariamente pelo líder da oposição Passos Coelho, que acabou a dar mais um tiro no pé. Depois de se ter feito de morto durante muitos meses, deixou-se envolver na polémica com António Domingues, enquanto os patrões dele esfregavam as mãos de contentes ao vê-lo discutir com o empregado. Alguém deveria oferecer a Passos Coelho «O Príncipe» de Maquiavel, antes que seja tarde.

Sem comentários: