Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/10/2016

Pro memoria (321) - Também já tenho saudades das greves no Metro

«Tenho saudades das greves do Metro porque a sua ausência é o melhor sinal de que o serviço público se está a degradar. Ao mesmo tempo, o algodão não engana: estando os sindicatos calados e sossegados, é porque estão a atingir os seus objectivos, e estes, numa empresa pública dependente do dinheiro dos contribuintes, são inevitavelmente contraditórios com o interesse dos utentes e de todos os que pagam impostos.

Os sinais estão aí (...): há muitas carruagens avariadas à espera de intervenção e há mesmo 11 unidades fora de circulação porque estão a ser utilizadas para fornecer peças às que estão a circular; o fornecimento dos cartões de plástico “Lisboa Viva” esteve, e porventura ainda está, racionado; já os cartões “Viva Viagem”, esses esgotaram-se pura e simplesmente; a sujidade acumula-se nas estações; o número de carruagens por composição diminuiu; o espaçamento entre cada composição é maior e tornou-se corriqueiro ouvir avisos que “o tempo de espera pode ser superior ao normal”.»

«Já tenho saudades das greves no Metro», José Manuel Fernandes no Observador

Sem comentários: