Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/10/2016

Pro memoria (323) - O nada multiplicado pelo multiplicador socialista pode tender para infinito

«O primeiro-ministro avisou os bancos esta terça-feira que, mesmo que o Novo Banco seja vendido a um valor mais baixo do que o esperado, não devem contar com qualquer tipo de desconto por parte do Estado, ou seja, os contribuintes não suportarão nem mais um euro.» (Expresso)

Outros exemplos em que os contribuintes não suportaram nem mais um euro:
  • SCUT - As auto-estradas sem custos para os contribuintes utilizadores inventadas pelo Eng. Cravinho no governo do Eng. Guterres agora à frente dos destinos do mundo, segundo os seus admiradores
«Nas PPP rodoviárias, os encargos brutos aumentarão (em 2016) para 1,53 mil milhões (+14%) enquanto a receita das portagens regista uma redução para 330 milhões (-3,5%). O resultado é um custo líquido de 1,2 mil milhões (mais 200 milhões do que em 2015).» (Expresso)
  • A nacionalização do BPN levada a cabo pelo Dr. Teixeira dos Santos no governo do Eng. Sócrates
Segundo Teixeira dos Santos «não custou nada» e o nada já vai em 9 mil milhões.

Na tabuada socialista o resultado de uma multiplicação de 0 pelo multiplicador socialista de Keynes pode ser de milhares de milhões.

Sem comentários: