Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/10/2016

CASE STUDY: Um imenso Portugal (36)

[Outros imensos Portugais]

O povo falou no domingo e o PT sofreu um rude golpe nas eleições municipais. Nas 26 cidades capitais de Estado apenas conseguiu eleger um prefeito em Rio Branco, no Acre e na segunda volta apenas tem uma única hipótese de eleger um outro no Recife, estado de Pernambuco. Perdeu 60% das prefeituras e passou de terceiro para décimo partido mais votado.

Verdadeira humilhação foi Marcos Cláudio, o filho adoptivo de Lula, candidato em S. Bernardo do Campo, em S. Paulo, onde vez uma campanha baseada em ser filho do pai, ter conseguido 1.500 votos numa cidade com 822 mil habitantes.

Sem surpresa, emudeceram as vozes da esquerdalhada doméstica. Curiosamente, a única referência que se encontra no site do PCP às eleições brasileiras é uma entrevista a José Reinaldo Carvalho, Secretário de Política e Relações Internacionais do PC do Brasil publicada em 15 de Setembro com o premonitório título «O Brasil depois do golpe - Dar voz ao povo».

Sem comentários: