Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/06/2014

Pro memoria (173) – Poderá o PCP fazer de UDP para o trotskismo em vias de extinção?

Não é preciso recuar na estória do esquerdismo em Portugal e lembrar que o Francisco Louçã foi na sua juventude um convicto trotskista fundador da LCI, partido membro da IV Internacional e, par nature, inimigo figadal do estalinismo representado em Portugal pelo PCP, fiel seguidor do PCUS. É desculpável. Na juventude (quase) todos nós temos ideias generosas ou idiotas, conforme o caso, e sempre irrealistas, ideias que (quase todos) vamos abandonando ou reformulando à medida que amadurecemos - enfim, os que amadurecem.

Vou só recuar à última dúzia de anos, depois da fundação do Bloco de Esquerda, um expediente «unitário» para disfarçar a irrelevância da LCI, da UDP, da Política XXI e restantes grupelhos do esquerdismo infanto-juvenil agora transformado em esquerdismo senil. Desde então o tele-evangelista Louçã sempre fugiu a qualquer aliança com o PCP. E diga-se com razão. Ou, melhor, com razões, que vão desde o abraço do urso que reduziria o BE a uns Verdes avermelhados até à falta de pedigree dos berloquistas para negociarem lugares de destaque numa espécie de frente popular retardada, para já não falar na razão mais importante que é desinteresse dos comunistas em darem guarida ao esquerdismo senil.

«O fim pode justificar os meios se houver algo que justifique o fim»
Pois bem, tudo parece estar a mudar. Na última reunião do comité central do BE, a que chamam Mesa Nacional, o professor Louçã renegou dois mandamentos da sua bíblia: Portugal não deve sair da Zona Euro e o BE deve manter as suas distâncias ao PCP. Em relação ao abandono do primeiro mandamento, o móbil é razoavelmente claro – continuando na Zona Euro não será possível voltar a adoptar políticas fiscalmente irresponsáveis e insustentáveis que são o oxigénio do esquerdismo de todas as idades.

Em relação à aproximação ao PCP, na verdade talvez nada esteja a mudar. Acontece simplesmente o que aconteceu com a formação do BE quando a LCI se estava a desfazer - a salvação consistiu numa fusão. Agora, perante o caminhar acelerado para a irrelevância do BE, talvez Louçã queira fazer do PCP uma UDP em tamanho grande. Pode esperar sentado que o camarada Jerónimo lhe mande espetar a picareta simbólica de Ramon Mercader no crânio.

Sem comentários: