Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/06/2014

A atracção fatal entre a banca do regime e o poder (20) – O comissaire aux comptes afinal é um contabilista arrependido

[Mais atracções fatais]

Como era de esperar, o commissaire aux comptes (nome que os franceses reservam para o revisor oficial de contas e não para os comptables), assim baptizado por Ricardo Salgado pour épater les journalistes, era um mero contabilista que começou a dar com a língua nos dentes e, entre muitas outras coisas que em países civilizados costumam ser crimes sujeitos a prisão, confessou que foram inventados activos em Angola no valor de 1,3 mil milhões para cobrir um passivo pantagruélico da Espírito Santo Internacional (ESI) e esconder perdas que no final atingiram 2,2 mil milhões. Tudo isto com o conhecimento de Ricardo Salgado e de outros.

Para mais detalhes ler a edição em papel do Expresso (passe a publicidade, merecida neste caso, sabe Deus porquê).

Sem comentários: