Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/06/2014

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (85) - Trilema em defesa do camarada Tozé Seguro

Repare-se a iniquidade com que António José Seguro está a ser tratado: o seu antecessor José Sócrates tem um púlpito no canal do Estado onde todos os domingos defende as realizações dos seus governos (essencialmente a bancarrota que transformou o país num protectorado); o seu putativo sucessor António Costa tem um palco na SIC, num programa sugestivamente denominado Quadratura do Círculo, partilhado com comentadores que já questionam o que ele fará quando for governo, palco que aproveita para mostrar e ser mostrado como o líder que o PS precisa e o primeiro-ministro que o país carece e ainda para demonstrar o seu apreço pela obra de José Sócrates.

Colocadas as coisas nestes termos, se eu fosse socialista, proporia o seguinte trilema para repor a equidade:
  • Ou bem que António Costa decide se é um dirigente do PS, putativo futuro secretário-geral e primeiro-ministro e renuncia a comentador-travesti
  • Ou bem António Costa escolhe ser comentador e se demite da presidência da câmara de Lisboa e desiste das suas candidaturas; 
  • Ou bem a TVI concede a António José Seguro um púlpito comparável aos do seu antecessor e seu putativo sucessor.

Sem comentários: