Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/06/2014

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (86) – Primeiro estranha-se, depois entranha-se

Estranhei, confesso, quando António Costa, depois de muitas fintas de corpo, empurrado ao que parece por socratistas e soaristas (é agora ou arranjamos outro!), se chegou à frente para disputar a liderança a António José Seguro. Afinal Seguro tinha sido eleito com 2/3 dos votos, o PS foi o partido mais votado nas eleições autárquicas e europeias, vinha a subir nas sondagens e o mandato do secretário-geral só termina nas próximas eleições legislativas. O que justificaria a sua substituição por uma criatura eleita há 9 meses para um mandato de 4 anos como presidente da câmara? Criatura cuja obra principal se resume à convivência pacífica durante quase 7 anos com o parkinsonismo autárquico extremo.

Acabei por perceber quando estabeleci o paralelo com o governo maioritário PSD-CDS que, pouco tempo após tomar posse, passou a ser considerado ilegítimo por uma legião, mais vocal do que numerosa, com acesso aos megafones do jornalismo de causas. Dela fazem parte no plano político o soarismo revilharista, ao qual se atrelaram outras correntes, como o socratismo ressabiado e os barões aposentados do PSD, entre outras. Desconsidero, a este respeito, PCP e BE, a esquerda das contestações cuja agenda não passa por governar.

Num caso como noutro, para além dos argumentos de circunstância, uns melhores, outros piores, e quase todos medíocres, o cimento que alimenta as duas campanhas e lhes dá consistência, e sobretudo convicção, é a crença da inferioridade dos «gajos», num caso o pessoal do governo e noutro o Tozé e a sua gente, uns e outros sem o pedigree legitimador das elites extractivas que a falta de mobilidade de um país anquilosado transforma num grupo endogâmico. Esses «gajos», acreditam, estão a usurpar os lugares que por direito pertencem à «nossa gente», isto é às esquerdas letradas com pátina antifascista - cada vez mais herdada da geração anterior, à medida que os jarretas republicanos e antifascistas vão batendo a bota.

Elites extractivas retratadas por Thomas Rowlandson
E, assim, o que começa por estranhar, a seguir se entranha.

Sem comentários: