Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/06/2014

ARTIGO DEFUNTO: A «verdade» sobre o Dia D

«O Dia mais Longo foi uma invasão desnecessária mas tornou-se um mito» foi o título escolhido pelo jornalista de causas Sérgio Soares para descrever uma versão revista da fase final da 2.ª guerra mundial demonstrando a inutilidade da invasão aliada, conclusão partilhada por José Estaline, nascido Ioseb Besarionis Dze Jugashvil, petit nom Koba (leitura recomendada: «Martin Amis, Koba o Terrível»), que a considerou desnecessária. E não, não foi no Pravda ou no Izvestia de antes do colapso da URSS, foi no i online.

Mais do que desnecessária, invasão terá sido inconveniente concede o autor quando escreve «não tivessem os Aliados desembarcado na Normandia e provavelmente o Exército Vermelho não se teria detido em Berlim», uma vez que «o exército alemão já tinha sido praticamente derrotado pelos russos na frente oriental e a indústria de guerra alemã estava totalmente destruída pelos bombardeamentos aéreos aliados». «Nessa altura, o Exército Vermelho apenas necessitava de abastecimentos para ocupar a Europa oriental», acrescenta citando um tal tenente-coronel William F. Moore («Overlord: The unnecessary invasion», bibliografia recomendada e hoje precisamente citada pelo Socialist Party of Great Britain, um partido marxista revolucionário «impossibilista»).

Em conclusão, o Dia D foi essencialmente o pretexto para «os feitos dos generais Patton e Montgomery, que penetraram na França em direcção à Alemanha, a partir da Normandia, tornaram-se lendários e objecto de numerosos livros e filmes de Hollywood», para além de um obstáculo para a União Soviética ocupar a Europa dos Urais até ao Atlântico. No final, até nós portugueses fomos prejudicados pelos efeitos perversos do Dia D ao parar as tropas soviéticas na Europa Oriental, impedindo a substituição do regime salazarista por uma democracia popular e privando-nos das alegrias do socialismo real.

3 comentários:

CCz disse...

Até parece que não foi Patton que libertou Praga

CCz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse...

E pensar que os únicos que fizeram um acordo com Hitler e o regime nazi foram os comunistas / Estaline. O que diz isso das ideologias?

Pessoalmente, acho que a única diferença entre extrema esquerda e extrema direita, é o rótulo...

Cumprimentos.

http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/08/diz-que-o-conego-era-fassista.html