Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/06/2014

ESTADO DE SÍTIO: A gravidade dos insultos depende de quem é insultado

«A Procuradoria-geral da República confirmou ao i que os incidentes à saída da Comissão Nacional do PS de domingo deram já origem a um inquérito. A investigação tem por base uma participação apresentada pela Presidente do PS, Maria de Belém.»

Os «incidentes» consistiram em insultos de um grupo de mais de uma dezena de populares que mimosearam António Costa: «Traidor», «vieste dividir isto», «o Seguro só serviu para te apoiar nas autárquicas».

Não me recordo de «insultos» dirigidos a membros do governo ou ao PR tenham sido objecto de inquérito. Contudo percebo, porque os «insultos» a Costa são insultos ilegítimos por provocadores ao serviço de interesses inconfessáveis, ao contrário dos «insultos» ao governo ou ao PR que são insultos legítimos proferidos pelo povo que sofre o jugo de um poder ilegítimo. Só não percebe quem não quer.

Sem comentários: