Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/07/2013

SERVIÇO PÚBLICO: O princípio do princípio (19)

Continuação de (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7), (8), (9), (10), (11), (12), (13), (14), (15), (16), (17), (18)

Enquanto na corte os cortesãos se indignam, elaboram, comentam e sonham amanhãs que cantarão, no resto do país prossegue o processo de destruição criativa ou seja de destruição de empresas insustentáveis e de empregos inviáveis e de criação de empresas talvez sustentáveis e de empregos talvez viáveis.

Barómetro Empresarial Dun & Bradstreet, Julho 2013
Clicar para ampliar
Em todo o lado? Não. No Estado, o maior empregador com 15% da mão-de-obra, não há destruição criativa. Há criação destrutiva.

Entretanto, fora da corte, prossegue o processo de ajustamento das contas externas que continuam a melhorar os saldos que passaram de negativos a positivos. Até Maio o saldo das balanças corrente e de capital aumentou para +1,4 mil milhões à custa de milhares de empresas exportadoras e da contenção das famílias que perceberam, muito antes dos pataratas que enchem o éter mediático, que não seria possível manter os padrões de consumo do passado - entre 1995 e 2010 o consumo aumentou para o dobro, enquanto a economia não crescia.

Sem comentários: