Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/07/2013

ARTIGO DEFUNTO: Um «erro» de edição

Uma das coisas que incendiou e continua a incendiar as almas do politicamente correcto nos States a propósito da morte de Trayvon Martin no ano passado pelo polícia George Zimmerman (um latino mestiço que o jornalismo de causas apelidou de «White Hispanic» para dar força à tese racista), desde logo considerado assassino racista, foi a «edição» que a NBC fez das conversas via rádio de Zimmerman com outro polícia.

Zimmerman diz «Este tipo parece que está a preparar alguma. Parece drogado... Está a chover e ele continua a andar por aqui, a olhar para as casas»; o outro polícia pergunta se o rapaz é preto, branco ou latino-americano e Zimmerman responde «Ele parece preto». Este diálogo foi transformado numa afirmação de Zimmerman «Este tipo parece que está a preparar alguma. Ele parece preto».

É um bom exemplo da manipulação subtil que o jornalismo de causas faz todos os dias um pouco por todo o mundo. A diferença é que, nos países em que as liberdades contam, os jornalistas que cometem estes «erros» não são promovidos – são despedidos.

Sem comentários: