Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/07/2013

Não há almoços grátis e para a Alemanha cada um paga o seu almoço

A proposta da Comissão Europeia de criação de um mecanismo único de resgate dos bancos europeus em dificuldades apresentada quarta-feita, que constituiria o 2.º pilar da União Bancária (o 1.º é a supervisão pelo BCE de cerca de 6 mil bancos), foi rejeitada pela Alemanha que, como escreve o WSJ, «has consistently resisted previous efforts to transfer financial risks from national economies to the broader euro zone, because it feels it would end up by paying a large part of the bill.» Tem resistido e continuará a resistir porque os políticos alemães também têm de prestar contas ao seu Tribunal Constitucional e, acima de tudo, aos seus eleitores que não parecem muito dispostos a pagar a prodigalidade financeira alheia.

É falta de solidariedade? A solidariedade não passa de um slogan vazio se não houver dinheiro para a pagar. Ora veja-se o tamanho da factura.

Economist

Sem comentários: