Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/07/2013

O que falta para o «acordo de salvação nacional» é o bunga-bunga?

Perante o meu cepticismo sobre a viabilidade do «acordo de salvação nacional» inventado pelo professor Cavaco Silva, há quem me diga que a priori o acordo entre Mário Soares e Mota Pinto e o governo do Bloco Central – afinal tudo, aparentemente, os afastaria - pareceria até mais difícil de alcançar do que entre Passos Coelho e Seguro – afinal muito, aparentemente, os aproxima, como a experiência de ambos nas juventudes partidárias.

Sendo assim, o que tinha o primeiro par e falta no segundo para garantir o sucesso de um acordo? O bunga-bunga de Soares-Pinto. Dirão os defensores da viabilidade do «acordo de salvação nacional»: pois que se reeditem as festas bunga-bunga, desta vez entre Coelho e Seguro. É fácil de dizer mas difícil de conseguir.

A começar porque do par Soares-Pinto só resta o primeiro e não parece nada disposto a ajudar com a sua experiência. Quanto ao professor Cavaco Silva, estamos conversados – o seu papel terminou com a deixa «façam as festas». E, em qualquer caso, qual o papel do Dr. Portas nas festas bunga-bunga de Coelho-Seguro?

Sem comentários: