Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

25/06/2016

SERVIÇO PÚBLICO: Da próxima vez também não vai ser diferente (7)

[Uma espécie de continuação de «Too big to fail» - another financial volcanic eruption in the making (1) e (2) e de «Da próxima vez também não vai ser diferente»]


Esperava-se que o crash de 2008 terminasse a paixão dos Estados Unidos pela dívida. Porém os empréstimos às famílias cresceram desde 2013 e atingem novamente USD 12 biliões. Apesar do incumprimento continuar a níveis historicamente baixos, começam a surgir sinais preocupantes. A dívida de cartões de crédito atingiu 700 mil milhões. As dívidas dos estudantes atingem USD 1,26 mil milhões e pelo menos 10% estão em incumprimento.

Até agora o crédito à habitação que representa três quartos da divida das famílias não parece apresentar problemas, mas tudo pode mudar com a subida das taxas de juro. No conjunto tudo pode piorar e a única consolação é que o sistema bancário está hoje mais bem capitalizado.

(Fonte: The Economist Espresso)

Sem comentários: