Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/06/2016

Mitos (233) – A melhor explicação é quase sempre a mais simples ou de como um crime homofóbico de inspiração religiosa se revela um alegado crime de alegada vingança gay contra alegados gays

Continuação daqui.

A tese oficial do crime de inspiração religiosa em Orlando começou por ser posta em causa pela alegada mulher do alegado criminoso Omar Mateen e ficou reduzida a cacos com a entrevista de um alegado amante de Mateen, que disse ter este conhecido no bar gay dois alegados gays porto-riquenhos com quem teve alegadamente sexo não previsto no Corão, sendo um desses alegados gays alegadamente VIH positivo. O facto de o alegado gay alegadamente VIH positivo não ter alegadamente informado Mateen despertou neste um alegado ódio,

Segundo o alegado amante de Mateen, este era um alegado «bissexual forçado» e pelas referidas razões alegadamente «odiava os gays porto-riquenhos» e teria sido este ódio que alegadamente motivou o alegado massacre no bar gay.

Sem comentários: