Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/06/2016

Pro memoria (312) - A quem vos disser que o problema dos migrantes e refugiados deve ser resolvido com o coração recomendai-lhe um transplante (3)

[Uma espécie de sequela de Esclarecendo os conceitos e colocando em perspectiva a crise de migrantes e refugiados para a Europa e de (1) e (2)]

Possivelmente o juízo mais errado de Angela Merkel nos seus 10 anos de governação foi olhar para a crise dos migrantes e refugiados como apenas uma questão humanitária e moral. O seu erro mais grave, decorrente desse juízo, foi a sua política de portas abertas. E ainda estão por ver as consequências mais profundas desse erro (uma benção para os extremismos demagógicos de esquerda e de direita), mas uma das consequências mais óbvias foi tentar mitigar as ondas de choque do seu erro inicial entrando num pântano negocial com o ditador eleitor Recip Erdogan do qual não sairá facilmente.

Em entrevista ao diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, o Dalai Lama, que dificilmente pode ser acusado de xenofobia ou extremismo, questionado sobre a crise dos refugiados disse:

«Se olharmos para o rosto de cada refugiado indivíduo, especialmente as crianças e as mulheres, sentimos o seu sofrimento. Uma pessoa que tem uma vida um pouco melhor, tem a responsabilidade de os ajudar. Por outro lado, há agora demasiados. A Europa, por exemplo a Alemanha, não pode ser um país árabe. Alemanha é a Alemanha. Há tantos que é difícil na prática. Numa perspectiva moral eu penso que estes refugiados só devem ficar temporariamente. O objectivo deve ser regressarem para ajudar a reconstruir seus próprios países.»

Definitivamente de fora vê-se melhor.

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

Destaco que os imigrantes mesmo que 5 milhões representa que a cada 100 passantes um é musçulmano; nada aterrador mesmo para mim um ancião.
A integração estilo anglosaxonico, belga e francês é uma pratica a abandonar; isto se se quiser olhar para os resultados com olhos de ver.
Não tenho dados muito concretos mas a pratica actual alemã, é verdadeiramente mais integradora (medida nº 1 aprender alemão).