Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/06/2016

Dúvidas (164) – Irá o Brexit consumar-se? (comentários aos comentários)

Este post é uma continuação do anterior e pretende esclarecer algumas questões colocadas pelos comentadores, a quem desde já agradeço.

É certo que os ingleses durante séculos combateram várias nações continentais. Devemos acrescentar que, na maioria dos casos, combateram essas nações continentais como aliados de outras nações continentais. Na maioria dos casos escolheram o lado certo, ou, pelo menos, o lado menos errado.

Na II Guerra os britânicos combateram quase sozinhos durante dois anos a Alemanha nazi e a Itália fascista depois da derrota e ocupação de quase toda a Europa, com excepção de Portugal e Espanha que foram aliados passivos da Alemanha nazi.

Estaline e Hitler assinaram pouco antes do início da guerra o Pacto Molotov-Ribbentrop, tornando-se aliados, invadindo de seguida a Polónia e repartindo-a entre si. Enquanto isso, os ingleses combatiam os nazis e eram por eles bombardeados todos os dias e a aviação britânica bateu sozinha a aviação nazi - «nunca tantos deveram tanto a tão poucos» disse Churchill a agradecer o sacrifício dos pilotos ingleses.

Só quando em Junho de 1941 a Alemanha nazi invadiu a União Soviética esta se juntou à coligação aliada. Só depois do ataque japonês a Pearl Harbor no final de 1941, os americanos passaram a ter uma intervenção militar activa.

Quanto aos benefícios do Reino Unido com a sua participação no orçamento da UE, na verdade pagam mais do que recebem e são aliás o segundo maior contribuinte líquido a seguir à Alemanha, apesar das reduções negociadas por Thatcher. Por duas razões: têm um dos PIB per capita mais altos e como a agricultura tem pouco peso recebem montantes reduzidos da PAC.
CLICAR PARA AMPLIAR (Fonte: EU Facts - Telegraph)
Não parece nada evidente que a saída do RU sirva os interesses federalistas da Alemanha, por três razões. Primeira, o maior adepto do federalismo tem sido a França. Segunda,  a Alemanha parece cada vez menos interessada numa federação. Terceira, o governo britânico tem sido de um aliado de facto do governo alemão para equilibrar os instintos intervencionistas e dirigistas e a adopção de políticas hostis aos mercados dos vários governos franceses.

3 comentários:

Anónimo disse...

Não concordo com:
«Só depois do ataque japonês a Pearl Harbor no final de 1941, os americanos passaram a ter uma intervenção militar activa.»
Ver, por favor, as datas, e para não complicar, em:
https://en.wikipedia.org/wiki/Lend-Lease

Abraço

Antonio Cristovao disse...

Agradeço este post;tenho a opinião que é melhor a GB sair, mas esta esta sua perspectiva vem dar dúvidas razoáveis para mudar.

Pertinente disse...

Por «intervenção militar activa» quis dizer acções militares directas contra o inimigo que só começaram depois de Pearl Harbor em finais de 1941. Não incluí neste conceito as ajudas militares em armamento e materiais que de facto começaram um pouco antes, em Março de 1941.