Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/06/2016

ESTADO DE SÍTIO: Estratégia de desvalorizar os bancos portugueses? Para quê? Não há necessidade

João Salgueiro costumava ser um economista e gestor competente e sagaz, mas da idade não decorre necessariamente sabedoria, só decorre necessariamente velhice. Por isso, não fiquei demasiado surpreendido com as teorias da conspiração que Salgueiro, Manuela Ferreira Leite e Bagão Félix construíram para dar à luz mais um manifesto: «Reconfiguração da Banca em Portugal – Desafios e Linhas Vermelhas». Teorias da conspiração a que Salgueiro agora deu um nome: «a estratégia de desvalorizar os bancos portugueses antes de serem vendidos». Estratégia de autores desconhecidos mas que, dados os exemplos mencionados, se poderia atribuir a espanhóis e angolanos.

Estratégia significa uma orientação deliberada para alcançar certos objectivos. Explique lá o Dr. Salgueiro para que diabo é precisa uma estratégia para desvalorizar os bancos portugueses se os seus accionistas, com a preciosa mas dispensável ajuda de quase todos os governos que temos tido, fazem isso há décadas melhor do que quaisquer potenciais compradores.

Sem comentários: