Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/06/2016

Dúvidas (159) - Terá o fascismo raízes no marxismo?

Uma tese de José Rodrigues dos Santos («O fascismo tem origem no marxismo»), que me parece dever mais à ficção do que à história em geral e à história das ideologias em particular, suscitou uma onda de indignações por parte dos marxistas de serviço. Têm toda a razão os marxistas. As raízes do fascismo não são o marxismo. As raízes de fascismo são adjacentes às do marxismo e os respectivos troncos partilham várias características. E as copas também.

A copa do marxismo é bastante mais frondosa do que a do fascismo: dezenas de Estados controlados por partidos inspirados no marxismo produziram durante décadas muito mais miséria, violência, privação de liberdades, presos e mortos do que um número muito menor de Estados controlados por partidos inspirados no fascismo que estiveram no poder por um período também menor. Se nos cingirmos à contabilidade dos mortos, que, segundo Estaline, aos milhares não são uma tragédia, são apenas estatística, o número de mortes atribuíveis ao marxismo bateu as atribuíveis ao fascismo na proporção de dez para um.

Sem comentários: