Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/06/2016

DIÁRIO DE BORDO: Querida, encolhi o povo! (Outra vez)

Segundo os organizadores, a manif da Fenprof para defender o monopólio estatal na educação teria 80 mil manifestantes. Segundo a polícia teria 15 mil. A Dr.ª Gabriela Canavilhas, que serviu como ministra da Cultura num dos governos do Eng. Sócrates, interrogou-se sobre se a jornalista do Público que citou os dois números «ainda não foi despedida por escrever factos falsos?»


Olhando para as duas fotos acima, sabendo que o Marquês de Pombal tem cerca de 25.000 m2, a versão dos organizadores corresponderia a mais de 5 manifestantes por m2 e a da polícia a um manifestante por cada 1,7 m2, pergunto-me: o que está à espera o Dr. Mário Nogueira para convidar a Dr.ª Canavilhas para assessora da Fenprof para o agitprop?

Actualização:
Como que a mostrar que estará à altura do agitprop da Fenprof, a Dr.ª Canavilhas assegurou hoje mesmo a publicação de duas peças no Expresso Diário, uma delas escrita por si, com um título laudatório («Canavilhas não retira uma linha mas teria colocado emojis») e outro premonitório («Um título num jornal de referência é mais eficaz do que uma declaração política»). Sobre o fundo da questão, isto é sobre os «factos falsos», nada.

Dá sempre jeito ter um Expresso acolhedor.

4 comentários:

Anónimo disse...

Ah grande Žižek.

Unknown disse...

Cana(vi)lhas...

Anónimo disse...

Na verdade, ver bem é uma raridade nos jornalistas do "pubico"...

neves

Lura do Grilo disse...

Foi um falhanço a manifestação. As pessoas começam a perceber que a educação é um meio de dar uma vida airada aos sindicatos estalinistas