Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/06/2016

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De como o melhor que pode acontecer ao paraíso prometido aos gregos pelo Syriza é ser um purgatório (LIV) – É possível enganar toda a gente...

Outros purgatórios a caminho dos infernos.

É possível enganar toda a gente durante algum tempo e é possível enganar alguns, toda a vida. Não é possível enganar todos toda a vida - ou pelo menos é muito difícil. O caso do demagogo Alexis Tsipras é mais um exemplo da validade deste aforismo. Os índices de aprovação do Syriza caíram de mais de 70% para um abismo em que, segundo a sondagem da Universidade de Macedonia, quase nove em cada dez gregos está insatisfeito com o governo Syriza-Anel. (Fonte)

Entretanto, continuam a ser discutidas com as instituições, anteriormente chamadas «troika», as condições para obter uma tranche dos 7,5 mil milhões indispensável para pagar a dívida que se vencerá nas próximas semanas, tranche sem o qual a Grécia entrará em incumprimento e sem acesso ao financiamento. Continuam igualmente as discussões com o BCE para os bancos gregos dispensarem o financiamento de emergência a taxas mais altas e terem acesso ao financiamento oferecendo como colateral dívida pública. (Fonte)

Repare-se que, depois dos primeiros meses de euforia, a esquerdalhada portuguesa apagou do seu discurso as referências à Grécia, ao Syriza e a Tsipras. Não fora a visita de Costa no final de Abril e a Grécia teria desaparecido completamente da política portuguesa.

Sem comentários: