Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/06/2016

DIÁRIO DE BORDO: Senhor, concedei-nos a graça de não termos outros cinco anos de TV Marcelo (9)

Outras preces.

Há coisas tão previsíveis que até eu prevejo. Como por exemplo neste post de há quase quatro anos em que escrevi:
Pois bem, por tudo isso e o que ainda se há-de ver, considero o emérito Marcelo o autêntico picareta falante e declaro que numas próximas eleições presidenciais votaria até no tele-evangelista para evitar transformar Belém num centro de intriga permanente, ainda mais nocivo do que nos tempos em que o seu ocupante foi Mário Soares. 
É raro o dia que o presidente Marcelo não confirma este meu prognóstico, pelo que não faltariam exemplos. Para não gastar muito latim, aponto apenas o exemplo de ontem onde o presidente-comentador faz uma exaltação de Luís Montenegro, o líder parlamentar do PSD, augurando-lhe um futuro radioso, augúrio que só os parolos não percebem que se destina a procurar um substituto para Rui Rio que na cabecinha do actual inquilino de Belém foi em tempos um putativo substituto de Passos Coelho, a quem não perdoa nem perdoará ter dito, sem chamar os nomes aos bois, uma das coisas mais exactas que algum dia se disse dele: «catavento de opiniões erráticas».

Não, nunca esperei que Marcelo ou outro qualquer inquilino de Belém fizesse as vezes das oposições - para isso já tivemos Mário Soares full time e Jorge Sampaio part time. Esperaria que o inquilino não intrigasse e não fosse cúmplice activo do inquilino de S. Bento nas políticas que conduzirão, uma vez mais, o país à bancarrota. Está agora confirmado que era esperar demasiado.

Sem comentários: