Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/12/2014

SERVIÇO PÚBLICO: O seguro pode não morrer de velho

Os stress tests reportados a 31-12-2013 realizados pela European Insurance and Occupational Pensions Authority (EIOPA), o equivalente dos seguradores e dos gestores de fundos de pensões ao ECB dos bancos, mostraram que 14% (representando 3% dos activos totais) não cumprem os requisitos de capital de solvência e 8% não cumprem com os requisitos mínimos segundo as novas regras «Solvência II» que entrarão em vigor em 2016. A conclusão da EIOPA é que, nas condições actuais de rentabilidade dos activos, alguns seguradores terão dificuldade de cumprir os seus compromissos com os segurados num horizonte de 8-11 anos.

Segundo a EIOPA, 2 dos 7 seguradores portugueses analisados revelaram capitais insuficientes com um rácio médio de 87% o mais baixo a seguir à Grécia. O mesmo exercício realizado pelo ISP, a autoridade supervisora equivalente ao EIOPA, para 41 seguradores portugueses encontrou 8 com rácios inferiores a 100%, apesar do rácio médio ser ligeiramente superior.

(Fontes: Financial Times, Diário Económico)

Sem comentários: