Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/12/2014

Dúvidas (68) – Presunção e água benta, cada um toma a que quer?

Como explicar que em Portugal, até hoje, não houve, que me recorde, um suspeito ou um acusado de crimes de colarinho branco que tivesse assumido o seu crime e muito menos pedido desculpas ou ter mostrado o mais levíssimo arrependimento?

Não se espera que essa gente faça um mea culpa numa conferência de imprensa acompanhados pelo cônjuge e filhos, como frequentemente se assiste nos States, mas como classificar a arrogância, a suprema ousadia das declarações de Ricardo Salgado na comissão parlamentar de inquérito olhando e falando de cima para os deputados, que no íntimo despreza, insultando a sua eventual inteligência com um discurso auto-elogiativo, evasivo e em que se apresenta como vítima do BdP?

Tomo nota, com curiosidade, que Salgado terá ido à missa antes de ir a S. Bento. Ter-se-á confessado? Levar-me-ão a mal os católicos, se desconfiar que estes comportamentos são influenciados, e por nós vistos com tolerância, pela nossa cultura católica?

Sem comentários: