Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/12/2014

QUEM SÓ TEM UM MARTELO VÊ TODOS OS PROBLEMAS COMO PREGOS: O alívio quantitativo aliviará? (8) – Aliviar, alivia, de momento alivia o crescimento no Japão (II)

Outras marteladas. Continuação de (I)

Afinal o crescimento do Japão que haveria de brotar do alívio quantitativo da Abenomics foi uma contracção do PIB do 3.º trimestre ainda mais elevada do que as estimativas iniciais aqui citadas. A contracção foi de 0,5% e não de 0,4% e o consumo caiu 3,0% no trimestre.

Porém, o insucesso do alívio quantitativo não é coisa que faça desanimar os crentes. Wolfgang Münchau, editor do Financial Times e um dos poucos alemães adepto incondicional dessa poção mágica, acalenta fundadas esperanças que o BCE venha em breve a usar a bazuca de um bilião de euros a adicionar ao seu balanço para debelar a deflação (qual deflação se os preços continua a aumentar?) e desencadear um imparável crescimento virtuoso.

«The question is no longer whether it will happen but how it will work» garante Münchau, sendo certo que, segundo ele, dois biliões (milhões de milhões) seriam preferíveis porque afinal a dívida pública da Zona Euro já vai em 9 biliões. How it will work? Pergunto-me também.

Sem comentários: