Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/12/2014

Pro memoria (213) – A privatização da TAP e o défice de memória de Costa

08-02-2001 - «A TAP vai ser privatizada no segundo semestre de 2001, garantiu Jorge Coelho, ministro do Equipamento Social».

03-05-2011 - «The plan targets front-loaded proceeds of about €[5.5] billion through the end of the program, with only partial divestment envisaged for all large firms. The Government commits to go even further, by pursuing a rapid full divestment of public sector shares in EDP and REN, and is hopeful that market conditions will permit sale of these two companies, as well as of TAP, by the end of the 2011». (Memorandum of Understanding on Specific Economic Policy Conditionality assinado pelo governo socialista de José Sócrates)

03-02-2012 - «António Costa defende integração da TAP numa grande companhia latino-americana»

11-12-2014 - «António Costa defendeu um “aumento de capital na empresa através da bolsa» (SIC)

13-12-2014 - «Ao contrário do que diz o primeiro-ministro, o que estava no memorando de entendimento com a troika [assinado pelo PS] não era a previsão de uma privatização a 100% da TAP. Não, o que estava no memorando de entendimento era que a TAP só seria privatizada parcialmente e nunca na sua totalidade», garantiu Costa e disse ainda que «A TAP é fundamental. Na era da globalização, tem a importância que as caravelas tiveram na era dos Descobrimentos», colocando-se na dianteira para ganhar o prémio da maior idiotice do ano.

Sem comentários: