Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/12/2014

CASE STUDY: Um minotauro espera a PT no labirinto da Oi (17) – Epílogo

[Outras esperas do minotauro]

«Oficial: CMVM recebe informação. Oi autoriza venda da PT à Altice

"Facto relevante" comunicado esta noite à CMVM. A Oi alienará à Altice a totalidade das ações de emissão da PT Portugal, pelo valor da empresa - 7,4 mil milhões de euros, com ajustes de caixa e dívida. »

Parece, assim, encerrar-se um dos capítulos mais tenebrosos do capitalismo português de compadres. Ao contrário do que os pastorinhos da economia dos amanhãs que cantam, dos comentadores e de uma multidão de outras luminárias do regime, em minha opinião é um progresso em relação ao estado de coisas desde que o trio Salgado-Sócrates-Lula e seus acólitos congeminaram a compra de uma participação na Oi. Não porque a Altice seja uma Telefónica, ou uma Deutsche Telekom ou uma Vodafone, mas porque é uma opção menos má do que a Oi – é difícil imaginar pior. E não vale a pena falar outra vez dos centros de decisão nacional porque, no estado de endividamento público e privado em que 40 anos de socialismo de modalidades diversas nos deixaram, não há capital português disponível para pagar à Oi 7,4 mil milhões.

Sem comentários: