Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/12/2014

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (99) – Ouviu-se apenas uma voz

Para variar, a voz que se ouviu foi a mesma de outras vezes.

«O ex-deputado do PS Henrique Neto não ficou surpreendido com a detenção do ex-primeiro-ministro. “Há anos que esperava que isso acontecesse. Os indícios eram mais que muitos”, diz ao i o ex-dirigente socialista.

Neto lamenta que muitos socialistas “fechem os olhos” e tenham uma” reacção irracional” ao caso que envolve o ex-líder do PS. “As reacções de alguns socialistas são irracionais. Há muitos socialistas que não querem conhecer o que se passou. Fecham os olhos, porque estão moral e eticamente metidos nestas desgraças”.

Perante este caso, o ex-dirigente do PS defende que António Costa deve fazer uma ruptura com o passado. “António Costa não será credível no país se não limpar o partido com grande clareza e grande determinação. Sofrerá com os estilhaços do que vier a acontecer com o eng. Sócrates”.

Na véspera do congresso do PS, que vai escolher a nova direcção do PS, Henrique Neto considera que este é “um dos momentos mais determinantes” da história do partido. “Ou compreende isto e aproveita para mudar a política e apresentar novas ideias – e para haver novas ideias é preciso ter dirigentes que não estejam comprometidos com o passado – ou faz uma fusão entre os que vieram do passado e meia-dúzia de caras novas e não será credível no país. É o grande momento de António Costa”, diz Henrique Neto, que foi um dos socialistas mais críticos da governação de José Sócrates

Agora já conhecemos a escolha de António Costa: «uma fusão entre os que vieram do passado e meia-dúzia de caras nova»

Sem comentários: