Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/12/2014

ACREDITE SE QUISER: A polícia brasileira da democracia é mais mortífera do que os militares da ditadura

Foi recentemente publicado o Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade sobre as violações de direito humanos levadas a cabo durante os 22 anos de 1964 a 1985 do período da ditadura militar brasileira. O relatório de mais de 4 páginas identifica 377 pessoas como responsáveis dos 434 assassinatos e desaparecimentos, incluindo entre responsáveis os 8 presidentes militares do Brasil dessa época.

Sem pretender minimizar ou relativizar a gravidade desses crimes, infelizmente dificilmente puníveis por terem sido quase todos amnistiados pela lei de 1997, o certo é que a ditadura militar brasileira foi muito menos cruel do que as do Chile e Argentina que deixaram um rasto de 2 a 3 mil e 10 a 30 mil mortos e desaparecidos, respectivamente.

Contudo, o maior paradoxo comparativo é com o massacre que a polícia brasileira nos tempos da democracia leva a cabo todos os anos. Só no ano passado, a polícia matou 2.200 pessoas o que a esse ritmo significaria durante o período da ditadura militar teriam sido mortos mais de 48 mil pessoas ou, dito de outro modo, a polícia mostra ser 111 vezes mais mortífera do que a ditadura militar.

Sem comentários: