Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/12/2014

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: Prenúncios de mais do mesmo, agora com a varinha mágica do economista escolhido (2)

Por se tratar de «um dos escolhidos de António Costa para o seu núcleo duro, a quem o secretário-geral dará ouvidos em matérias de economia e finanças públicas», comentei há dias o seguinte juízo do economista Rocha Andrade: «a continuar no ritmo que o Governo imprimiu à dívida pública e ao PIB, a reestruturação passará a ser uma inevitabilidade».

Como então escrevi, o escolhido de Costa disse numa curta frase duas mentiras/ignorâncias e anunciou um desastre. Os comentários que fiz, porém, não evidenciaram directamente, como alguns leitores assinalaram, certos aspectos: nomeadamente o peso da dívida resultante do resgate do qual o governo socialista foi responsável e o reescalonamento das maturidades levado a efeito paulatinamente por este governo. Vou servir-me de dois gráficos (slides 66 e 67) da apresentação «Portugal: The Way Forward» de Setembro do IGCP.

O primeiro gráfico mostra claramente que a dívida pública «ordinária» não só não aumentou como diminui significativamente. A componente que aumentou, como não podia deixar de ser, foram os empréstimos da troika ao abrigo do PAEF (a azul claro com a legenda EU/IMF).

O segundo gráfico mostra com igual clareza o perfil da dívida antes (metade esquerda do gráfico) da renegociação das maturidades e depois (metade direita).


Sem comentários: