Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/12/2014

Chávez & Chávez, Sucessores (24) – O caminho para a servidão é também o caminho para as prateleiras vazias (parte II)

Continuação da parte I.

Nicolás Maduro, o sucessor a quem o sucedido coronel Chávez aparece de vez quando sob a forma de «pajarito», completou 52 anos no dia 23 de Novembro e formulou então o desejo de viver mais 50 anos para ver florescer a «revolução bolivariana».

Se não é certo que Maduro consiga escapar nos próximos 50 anos à maior violência homicida em todo o mundo, é ainda mais incerto que a «revolução bolivariana» tenha essa longevidade porque o seu combustível principal – os rendimentos do petróleo – está a ficar escasso com a produção a diminuir em consequência da incompetência da Petróleos de Venezuela, entregue aos apparatchiks chávistas desde que foi nacionalizada, e desde há alguns meses quando o preço do petróleo começou a cair e assim continuará, segundo as previsões.

Entretanto, os resultados da «revolução bolivariana» e a impopularidade de Maduro são cada vez mais visíveis (fonte: «On borrowed time», Economist).




Sem comentários: