Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/06/2012

SERVIÇO PÚBLICO: O princípio do princípio (5)

[Continuação de (1), (2), (3) e (4)]
Fonte: Destaque de 11-06, INE
Apesar das dificuldades de aceder ao crédito, quase todo engolido pelas empresas públicas, os empresários que não vivem pendurados no Estado e enfrentam a concorrência nos bens transacionáveis dão sinais de vida como se pode ver pelas entradas e saídas de bens no trimestre terminado em Abril. Registe-se a melhoria das taxas de cobertura, não apenas pela redução inevitável das importações em 1,2 mil milhões, mas também pelo aumento em 0,9 mil milhões das exportações. Numa conjuntura de arrefecimento da economia mundial atinge-se uma taxa de cobertura que já não se via há mais de uma década, em particular no comércio extracomunitário que sem combustíveis apresenta um superavit notável.

É claro que estes sinais passam ao lado do jornalismo de causas e dos calimeros que compõem a maior parte da esquerda para quem o mundo se reduz ao eixo S. Bento-Bairro Alto e ao círculo dos avençados com tença.

Sem comentários: