Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/06/2012

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (60) – tem pouca razão e não tem moral nenhuma

Pedro Silva Pereira, o braço direito de José Sócrates durante mais de 6 anos de governo, fez o balanço de um ano de governo de Passos Coelho no Económico. O balanço é arrasador: o PIB caiu, o desemprego e a dívida pública aumentaram. Enfim é certo que saldo do comércio externo melhorou mas foi ou por causa da redução das importações imposta pela austeridade ou por causa do aumento das exportações «fruto, aliás, trabalho feito anteriormente na conquista de novos mercados e na incorporação de valor». Quanto à avaliação positiva da troika «vale o que vale».

Se Silva Pereira não fosse o que é e se não tivesse sido cúmplice do que foi, dar-lhe-ia uma parcela de razão, apesar da sua análise deliberadamente manipuladora, porque, de facto, a folha de serviços deste governo não é brilhante, principalmente porque está a fazer apenas a parte mais fácil das reformas indispensáveis. Contudo, há o pequeno problema de, se as fizesse, seria ainda mais criticado pela visão dirigista e colectivista de Silva Pereira.

Há ainda o outro pequeno problema de Silva Pereira ter sido o principal acólito do governo que deixou ao actual a seguinte herança:
  • Maior desemprego dos últimos 90 anos;
  • Maior dívida pública dos últimos 160 anos;
  • Mais baixo crescimento económico dos últimos 90 anos;
  • Maior dívida externa dos últimos 120 anos
  • Mais baixa taxa de poupança dos últimos 50 anos
  • Segunda maior taxa de emigração dos últimos 160 anos.

Sem comentários: