Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/06/2012

Lost in translation (146) - Troquei os chapéus, queria ele dizer

«Estou a ser vítima de um linchamento» queixou-se o bispo das forças armadas D. Januário Torgal das reacções às suas declarações de agitprop em que comparou Passos Coelho ao Botas, sem perceber que trocou outra vez o quépi de militar e o chapéu de cardeal pela boina de Che.

ADITAMENTO, depois de ter lido o artigo de Pacheco Pereira aqui reproduzido:

É naquela troca de chapéus que está o busílis. E o busílis não é definitivamente o homem ter dito uma «frase polémica…, (a qual) se entendida como uma comparação entre a ideia de povo que tinha Salazar e que tem Passos Coelho, tem alguma razão de ser», como nos quer fazer crer Pacheco Pereira, sem melhor fundamento, para quem faz análises tão rigorosas, do que os seus ódios de estimação pelos rebentos da JSD, que até o fazem esquecer o apelo jacobino à rua do bispo que excitou o bloquismo - ainda vamos ver o tele-evangelista nas missas de Dom Torgal.

O que escreveria Pacheco Pereira se Passos Coelho respondesse ao bispo «aparece um senhor, que pelos vistos ocupa as funções de bispo das forças armadas, dizendo que eu lhe faço lembrar o Botas. Conclusão: parecia que estava a ouvir um discurso do «martelo dos hereges» há 5 séculos a convocar-me para um auto-de-fé»?

Sem comentários: