Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/06/2012

A maldição da tabuada (9) – se não sabes medir, não sabes gerir (II)

Segundo a UTAO (Unidade Técnica de Apoio Orçamental aos deputados), o relatório da Direção-Geral do Orçamento sobre a execução orçamental dos 4 primeiros meses contém um erro: «a quebra da receita proveniente de impostos indiretos foi mais acentuada. A UTAO detetou uma incorreção na taxa de variação homóloga acumulada até abril dos impostos indiretos da administração central e segurança social (sem EPR -- Entidades Públicas Reclassificadas)».

Desse erro resulta que «a receita de impostos indiretos da administração central e da segurança social (sem EPR) diminui 6,8 por cento … quase o dobro da variação pública na síntese de maio da DGO (-3,5 por cento)».

Como se vê continuamos com o mesmo problema, como aqui concluí a propósito da dívida das autarquias: o verdadeiro problema não é geralmente «o problema». O verdadeiro problema é a medida, segundo um certa métrica, duma coisa que não se sabe se é um problema ou, sabendo-se, não se conhece a sua gravidade.

Sem comentários: