Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/06/2012

CASE STUDY: António Champalimaud revolve-se na tumba (4) – outra vez?

[Outras revoltas na tumba: (1), (2) e (3)]

Acredito tanto nos dotes divinatórios de Marques Mendes como na sua inocência e na dos políticos em geral e, por isso, admito dubitativamente que com o país atolado em dívidas haja gente a pensar a mais de 3 anos de distância em mudar-se para Belém.

Depois de suspeitar (ver as outras revoltas) como está a ser usado o legado de António Champalimaud em operações de prestígio para encher o olho e polir os egos das figuras de cera do regime que se acotovelam nos órgãos sociais da Fundação, e depois de procurar uma singela explicação para Leonor Beleza, convidar a selecção nacional para visitar o monumento, fico propenso a pensar que a senhora pode estar a pôr-se a jeito no caminho para Belém.

Se (um se não muito grande) for assim, o velho Champalimaud irá certamente revolver-se na tumba e amaldiçoar ter escolhido alguém que se serviu em vez de servir.

Sem comentários: