Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

25/06/2012

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (62) – tem toda a razão mas não tem moral nenhuma

«A privatização da REN, tal como da EDP, funciona como uma espécie de espólio que o Governo distribui para personalidades ou dirigentes topo de gama do PSD e do CDS. Depois de Eduardo Catroga ou de Celeste Cardona, vem agora José Luís Arnault, sobretudo na sua qualidade de administrador da REN e simultaneamente presidente da comissão de auditoria financeira do PSD», acusou o PS pela boca de José Junqueiro.


Tem Junqueiro toda a razão, porque o PSD não perdeu o hábito de distribuir lugares e tenças pela sua gente. Porém, como ninguém ouviu este deputado desde há 17 anos criticar ou, vá lá, pelo menos distanciar-se, da distribuição de lugares pelos governos PS durante 13 anos às «personalidades ou dirigentes topo de gama», falece-lhe a moral para apontar o dedo ao PSD.

Sem comentários: