Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/06/2012

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: A maldição da tabuada, uma vez mais

Secção Insultos à inteligência

A média nas provas de matemática do 9.º ano em Maio foi 31,1%. O presidente da Confederação Nacional de Associações de Pais (Confap) considerou esta média como uma «traição aos alunos e às escolas… (e) uma estratégia… que visa criar condições para que se diga que havia uma escola e uma educação antes do atual ministério e que agora é que as coisas vão entrar nos eixos».

Como se acaba com esta traição? É muito simples. Readopta-se a estratégia socrática e vai-se baixando o nível de exigência das provas até a média atingir o objectivo do ministério. Entretanto, só para não perdermos o tino completamente convém olhar outra vez para a «traição aos alunos e às escolas» no 9.º 7.º ano do liceu nos tempos do fascismo (actualmente 11.º-12.º).

Exame de matemática do 9.º 7º ano liceal de 1962

Três bourbons e quatro chateaubriands é o mínimo que a Confap leva para premiar nada esquecer nem aprender e pela confusão entre dar boas notas e ter bons resultados, respectivamente.

1 comentário:

skeptikos disse...

Perdoe-me a crítica, mas em 1962 não havia 9º ano. ;)