Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/06/2012

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Verdade inconveniente

Secção Res ipsa loquitur

Ainda a propósito das «críticas inflamadas» à admissão por António Borges da emergência de baixar ainda mais os salários (ver aqui, aqui, e aqui), sinto-me obrigado a fazer uma referência a Daniel Amaral, um economista da área socialista que, não deixando de criticar o homem (já somos dois), faz umas contas simples para honestamente concluir:
«Com isto chegamos às famosas declarações de António Borges, conselheiro influente e figura de proa de um Governo que, até hoje, mais não fez do que aumentar os impostos, diminuir os salários, facilitar os despedimentos e elevar a taxa de desemprego até níveis insuportáveis. Borges foi conivente - e inconveniente. Eu posso dizer o que ele disse. Ele não. O que ele disse é verdade. Mas há verdades que o pudor recomenda que não se digam.»
Leva 3 afonsos por se distinguir dos seus correligionários que não conseguem separar a verdade das conveniências.

Aparte as verdades dependerem de pudores, poderia subscrever o juízo de Daniel Amaral substituindo em «de um Governo que, até hoje, mais não fez do que» o «mais não fez» por «pouco mais fez». Isto não é um pormenor: estou convicto que parte do que o governo não fez e deveria fazer não tem suporte social para ser feito num país profundamente colectivista e dependente do Estado Sucial.

Sem comentários: